terça-feira, 1 de agosto de 2017

165 - Terras de Capelins

Ferreira de Alcântara


Herrera de Alcántara



A outra Ferreira da Raia - Herrera - o seu, a seu dono!



Damos a conhecer mais uma localidade espanhola, não é propriamente vizinha das Terras de Capelins, mas também se situa na Raia e em tempos foi portuguesa e alentejana/beirã. A sua toponímia "Ferreira", parece ter a mesma origem da nossa Ferreira Romana, ou seja, de Ferraria, (Minas e transformação do Ferro, Forja), implicando por vezes alguma confusão entre elas. Existem algumas peripécias atribuídas à nossa Ferreira, as quais, temos quase certeza se passaram na outra Ferreira (Herrera)
Herrera de Alcántara (em português: Ferreira de Alcântara) é um município raiano da Espanha na província de Cácerescomunidade autónoma da Estremadura, de área 121,61 km². Em 2012 tinha 292 habitantes (densidade2,4 hab./km²).

O nome de Ferreira de Alcântara pode provir da ferraria que existia na povoação entre os séculos XI e XII, na qual se fizeram as grelhas da Catedral de Santiago de Compostela.

O seu território foi conquistado pelos cristãos aos árabes em 1167, tendo em 1220 conquistado definitivamente as terras comprendidas entre Alcântara e Valença de Alcântara. A comenda de Ferreira já existiria em 1254. Ferreira teve alfândega desde a Idade Média. Fala-se ainda hoje português nesta aldeia, devido a ter sido repovoada por portugueses da região aquando da Reconquista, nas primeiras décadas do século XIII. O território ora pertenceu ao reino de Portugal ora ao de Leão. O Tratado de Alcanizes de 1297 pôs fim às pretensões portuguesas de dominar a região. Portugal nunca esqueceu tal território e o reclamou sempre que pôde nas guerras seguintes. A realidade é que ficou definitivamente na posse de Castela, mas a população portuguesa que morava lá continuou a viver na aldeia. O português que se fala lá é um português arcaico, sem qualquer ligação com os dialectos alto-alentejanos e beirões. Portanto, para um português normal, esse português soaria um bocado esquisito, precisamente pela ausência de relações com o resto do país. A partir do século XV foi Villa de Realengo, pertencente à Ordem de Alcântara. Esta comenda compreendia os términos municipais de Ferreira de Alcântara e Cedilho, tendo sido vendida em grandes lotes em 1855. As guerras com Portugal (Guerra da Restauração) arrasaram a fortificação da aldeia no século XVII. Um dado importante para a história e economia desta povoação é que teve um porto fluvial no Tejo, de onde saiam mercadorias até Inglaterra, através de Lisboa, até ao século XVIII.


As guerras com Portugal (Guerra da Restauração) arrasaram a fortificação da aldeia o século XVII.

É esta a eventual confusão, ou seja, a batalha de Abril de 1667 entre o exército do Alentejo, comandado pelo Conde de Schomberg, e castelhano, que Túlio Espanca descreve como se tivesse passado na nossa Ferreira, tudo indica que, foi aqui em Ferreira de Alcântara, assim como, a destruição do Castelo de Ferreira, mas de Alcântara. 

Brasão de Ferreira de Alcântara 



Sem comentários:

Enviar um comentário

274 - Terras de Capelins  História de Capelins  Até, perto de meados de 1800, os capelinenses eram sepultados no interior da Igreja d...