quinta-feira, 28 de julho de 2016

5 - História de Capelins
Freguesia de Capelins (Santo António)

A Freguesia de Capelins (Santo António), é constituída por três Aldeias: Faleiros - Ferreira de Capelins - Montes Juntos e ainda uma pequenina parcela de Cabeça de Carneiro.
A sua história remonta ao período da pré história, conforme consta na carta arqueológica de Alandroal e no relatório do levantamento arqueológico e patrimonial do Alqueva, passando pelo Neocalcolítico, pelos Romanos que fundaram a Villa de Ferreira Romana na margem direita da Ribeira de Lucefecit, em frente às Águas Frias e Idade Média. Entre 1262 e 1836, estas terras, fizeram parte do Concelho de Terena. Em 1314, o rei D. Dinis fundou a Vila de Ferreira, quase todo o espaço geográfico da atual Freguesia de Capelins, como Vila Defesa, (semelhante a Couto de Homiziados), os seus moradores tinham a missão de defender militarmente estas terras, de eventuais invasores, em troca de diversos privilégios, sendo a sua sede o Lugar de Ferreira, junto às Neves, onde existia a Igreja Matriz de Santa Maria. Esta Vila Defesa foi entregue ao seu filho o o Infante D. Afonso, que veio ser o rei D. Afonso IV, o qual, imediatamente a doou a sua esposa Dª Beatriz, entrando assim na Casa das Rainhas. Depois de ser doada a mais duas Infantas de nome Beatriz, foi doada em 1433 pelo rei D. Duarte a D. Gomes Freire de Andrade, permanecendo nesta Família até 1674, quando lhes foi retirada por falta de herdeiros diretos, ficando na coroa até ser logo doada ao Infante Francisco de Bragança, neto do Rei D. João IV, o qual, em 1698 a doou à Casa do Infantado, estando integrada na Casa de Bobadela, enquanto pertenceu à Família Freire de Andrade. Entre 1698 e 1834 foi propriedade da Casa do Infantado, sendo um Concelho do Estado do Infantado, com Alcaide, Juiz, Procurador, Escrivão e outros, ou seja, era administrada pelas leis exclusivas do Estado do Infantado, onde ninguém podia ser julgado no caso do crime não ter sido cometido nas Terras da Casa do Infantado, nem extraditado, depois de aqui ter entrado.
As Terras de Capelins, exceto Faleiros, devem a sua existência à Casa do Infantado, a qual, logo que tomou posse desta Vila, encetou um grande número de ações económicas e sociais com vista ao seu desenvolvimento, entre elas, dividiu as terras em pequenas herdades entregando-as a Lavradores, permitindo e ajudando a construir cerca de quarenta Montes (habitações), dos quais, a maioria ainda hoje, em 2015, embora reconstruídos, ali os podemos encontrar, sendo a partir de alguns desses Montes, que cresceram as então, Aldeias de Capelins de Baixo e Capelins de Cima, assim como, a Aldeia de Montes Juntos.
Em Novembro de 1836, esta Freguesia, que se denominou de Santo António, termo da Vila de Terena até cerca de 1798, passou do Concelho de Terena para o Concelho de Alandroal, e foi quando alteraram a toponímia das duas Aldeias de Capelins de Baixo e Capelins de Cima para Ferreira, a atual Ferreira de Capelins que, em conjunto com Faleiros, Montes Juntos e uma pequenina parcela de Cabeça de Carneiro, constituem a Freguesia de Capelins (Santo António). 




Sem comentários:

Enviar um comentário

274 - Terras de Capelins  História de Capelins  Até, perto de meados de 1800, os capelinenses eram sepultados no interior da Igreja d...