sábado, 11 de agosto de 2018

287 - Terras de Capelins 
História, lendas, contos e tradições das terras de Capelins
A lenda do Maltês Lavrador  
Na madrugada do dia 25 de Maio de 1740, quando a ti Maria Bia abriu a porta da sua taberna em Capelins de Cima, (hoje, Ferreira de Capelins), estava um homem alto, com chapéu preto  e com uma manta às costas, encostado a um pau, a figura de um verdadeiro maltês! A ti Maria Bia, não estranhou a sua presença, porque, naquela época passavam por ali muitos maltezes que faziam paragem por lhe dar o cheiro da taberna, a vinho e a aguardente! A ti Maria apenas exclamou em voz alta: 
Ti Maria: Mais um maltês! Bom dia! 
Maltês: Bom dia!
O maltês falou em voz baixa e rouca, talvez, consequência da frieza da noite, porque tinha dormido ao relento, embora já reinasse o mês de Maio, as noites ainda iam muito frias! Aquela voz, estava mesmo a pedir um mata bicho, ou seja, um copo ou dois de aguardente! A ti Maria, abriu a porta do “cabanão” onde era a taberna, acendeu a candeia de azeite, porque a aurora ainda não emprestava luz suficiente para se poder ver bem dentro da taberna, dizendo ao maltês: 
Ti Maria: Oh homem, já pode entrar, diga lá o que quer?
O maltês, estava perto da porta do cabanão, deu um passo em frente e ficou lá dentro!  A ti Maria, tinha bom olho, mesmo com pouca luz da candeia  reparou que era um homem novo, com cerca de 25 a 28 anos, mas com aspeto de sofrimento no físico e na alma. 
Maltês: Então, queria aí, um copo de aguardente! 
Nessa época, a aguardente era considerada um remédio para curar muitos males!
A ti Maria encheu um copo de aguardente para o maltês e, um para ela! Ainda o maltês não tinha tocado no seu copo, já ela estava a encher outro, como reparou que o maltês a olhava, apressou-se a justificar: 
Ti Maria: Tem de ser! Não tenho andado nada bem! Anda aqui bicho, enquanto não tomo dois ou três copinhos deste remédio não o mato, depois já fico bem o resto do dia!
O maltês, apenas acenou afirmativamente com a cabeça, levando o seu copo aos lábios sorvendo apenas metade da aguardente e, só o acabou quando a ti Maria já ia no terceiro, ou quarto, ficando por aí, porque, estava convencida que o bicho naquele dia não a incomodava mais! Logo a seguir, esfregou as mãos e encetou a conversa com o suposto maltês: 
Ti Maria: Então homem, diga-me lá, de onde é que vocemecê é? 
O maltês ficou indeciso em responder, fitando o copo de aguardente, por fim respondeu:
Maltês: Eu sou de um Monte perto de São Brás dos Matos, um pouco acima, chama-se Monte das Naves de Baixo! 
Ti Maria: Ah sim? Eu conheço isso tudo, quando o meu, que Deus lá tem, era vivo, moravamos em Terena e corríamos essas herdades todas a fazer ceifas e outros trabalhos, ainda lá estivemos nesse Monte, a fazer qualquer coisa, ou noutro lá ao pé, já não sei bem! Mas, então, se há lá tantos sítios para trabalhar, para esses lados, até na mina, o que vem vossemecê a fazer para aqui? Prego-a para lá e vem fugido aqui para a Defesa de Ferreira, não? Mais um! Há cá poucos!
Maltês: Não senhora, não é nada disso, é verdade que venho fugido, mas é de mim, das sombras da minha vida! Olhe, encha-me lá outro copo de aguardente! 
Ti Maria: Já me disse tudo! Eu vi logo que vinha fugido, nunca me engano, cheiram-me logo à distância, vem fugido porque a pregou para lá e deve ter sido boa! Ou fez pouco de alguma rapariga e desgaraçou-a ou matou alguém! Mas olhe que aqui não se escapa! Eles encontram-no!
O maltês negou todas as insinuações, mas não conseguiu convencer a ti Maria de que estava enganada, não havia nada a fazer! A mulher era do pior! Entretanto, chegaram mais dois ou três homens a matar o bicho e, ainda assistiram a parte da conversa entre o maltês e a ti Maria, mas limitaram-se a abanar a cabeça negativamente, não se atrevendo a contrariá-la, porque, quando ela metia uma coisa na cabeça, ninguém a demovia!  
Os fregueses que chegaram, foram metendo conversa com o maltês, perguntaram-lhe se vinha para trabalhar por ali, ou se ia de passagem! Ele, contou-lhe de onde era e que há muito tempo que ouvia falar da Vila de Ferreira, por isso, quando pensou sair lá do Monte das Naves de  Baixo, foi logo com a ideia de vir ali parar, embora tivessse tido ofertas para ficar a trabalhar na herdade das Bolhas no Rosário e, na herdade da Boeira, onde tinha dormido, mas este lugar, não lhe saia da cabeça, parecia que alguma coisa o chamava! O maltês, aproveitou para perguntar qual seria a melhor herdade e qual o lavrador que se devia dirigir para poder ficar a trabalhar! Os presentes, prontificaram-se a ajudar e, foram unânimes em lhe indicar a herdade da Zorra, explicaram-lhe onde ficava e por onde devia seguir! O maltês, pagou os copos de aguardente que tinha bebido, agradeceu  a informação e, seguiu direitnho ao Monte da Zorra mas, antes, ainda ouviu mais alguns desaforos por parte da ti Maria Bia que, não gostou nada do maltês e, continuou a dizer mal dele, por mais algum tempo, até surgir outra novidade em Capelins de Cima! Ninguém percebia porque motivo a ti Maria não gostava do homem, mas a verdade é que não engraçou com ele! 
A ti Maria Bia, apareceu em Capelins de Cima cerca de 1730, a Aldeia estava em crescimento, instalou-se numa pequena casa junto do Monte Grande que, era da Casa do Infantado, um bom lugar para o seu negócio, porque, estava dentro da herdade da Defesa de Ferreira, com muitos criados, abriu uma taberna num cabanão que, por ser a única, dava-lhe bem para viver, vendia copos de vinho, de aguardente, onças de tabaco, livros de papel para fazer os respetivos cigarros, fósforos e pouco mais! Era natural da Vila de Terena, viúva e sem filhos! Não se sabia nada do seu passado, mas ela sabia de todos.
O maltês seguiu pelo Monte do Meio, poço da estrada, onde nesssa época se iniciava a herdade da Zorra  e chegou ao respetivo Monte ainda cedo, dirigiu-se logo ao lavrador, tirou o chapéu em sinal de respeito, cumprimentou-o e, pediu - lhe  se podia falar! O lavrador da Zorra, moveu a cabeça em sinal afirmativo!
Maltês: Bom dia senhor, queria pedir-lhe se podia aceitar-me a trabalhar na sua herdade!
Lavrador: Bom dia homem! Isso é com o feitor e não é assim, primeiro, temos de saber quem é, como se chama, de onde vem, como veio ter aqui e, principalmente, o que sabe fazer! 
O maltês acenou com a cabeça, em sinal de compreensão! 
Lavrador: Mas já agora, diga-me lá como se chama? 
Maltês:  O meu nome é Manoel Rodrigues, seu criado, senhor!
Lavrador: Criado de Deus, Manoel Rodrigues? E de onde é?
Manoel: Sou do Monte das Naves de Baixo, de S. Brás dos Matos, senhor!
Lavrador: Conheço bem! E porque motivo veio parar aqui? 
Manoel: Foi devido a um grande desgosto que estou a ter na minha vida, fiquei viúvo no dia do meu casamento, a minha mulher já andava doente, mas não esperava uma coisas destas! Então, depois de a sepultar na Igreja de S. Brás dos Matos, não consegui ficar lá, nem mais um dia! Peguei no pau e numa manta, disse aos meus pais que vinha embora para a Vila de Ferreira e, aqui estou, senhor!
Lavrador: Eh rapaz que fezes as tuas! Eu compreendo isso! É muito triste! Então, e o que sabes fazer cá destes trabalhos? 
Manoel: Sei fazer tudo senhor! O meu pai é lavrador lá na herdade do Monte das Naves de Baixo, eu trabalhava com ele lá na herdade, com os meus irmãos, aprendemos a fazer tudo, logo desde pequenos!
Lavrador: Então, sendo assim, podes ficar a trabalhar aqui! Hoje, ficas no Monte, o feitor já te diz onde te podes arrumar e o que vais fazer!
Despediram-se e, o lavrador foi falar com o feitor que, veio imediatamente ter com o Manoel, começaram a falar, parecia que se conheciam desde sempre, falavam a mesma linguagem, depois, vieram a ser grandes amigos!Após uma breve conversa, ficou decidido que o Manoel no dia seguinte, ia ceifar! 
Assim, logo de madrugada, começou a ceifar com o rancho da herdade da Zorra, porque, era a atividade agrícola, onde precisavam de mais gente e, também, a mais bem paga! 
Quando acabou a ceifa, o Manoel passou para o carrego dos molhos de cereais para as eiras, ele, tanto dava molhos para cima das carroças como fazia as carradas, nenhum desses trabalhos tinha segredos para ele, sabia fazer tudo! 
Começaram a debulhar e, o Manoel continuou a mostrar as suas competências, sabia malhar, debulhar com os trilhos, limpar os cereais, ou seja, separar a semente da palha atirnado-o ao vento, ensacar, colocar os cereais, principalmente, aveia, trigo e cevada, dentro de grandes sacos de serapilheira, para serem transportados para os celeiros!
Após a debulha, o feitor entregou-lhe uma parelha de machos e, em companhia de outros criados passou algum tempo a carregar a semente para o celeiro comunitário da Vila de Terena e para o da Vila de Alandroal! 
O Manoel já se sentia muito bem nas terras da Vila de Ferreira (Capelins) e, as feridas da sua alma já davam sinais de estarem a sarar, foi fazendo amigos e, ganhando fama de homem honrado e de bom trabalhador, logo, começaram a aparecer pretendentes, mas ele não correspondia, não esquecia a sua falecida mulher Maria das Neves. 
Quando acabaram os trabalhos agrícolas do verão, ceifa, carrego, debulha, entrega do trigo nos celeiros e fazer as almiaras de palha para o gado e tapá-las com palha de centeio e piorno (giesta) para proteção das chuvas do inverno, fizeram uma festa no Monte da Zorra, com comes e bebes e um baile que durou quase toda a noite, mas o Manoel afastou-se do Monte e não assistiu a nada, porque, ainda não tinha  vontade de festas! 
No dia seguinte, começou novo trabalho na herdade da Zorra, o atalho, ou seja, a preparação das terras para as sementeiras, gradar e dar uma lavoura na folha (terra) onde iam semaear, o que não foi nada de novo para o Manoel, como, também, não foram os trabalhos que se seguiram, as sementeiras e, outros trabalhos como juntar pedra, desmatar, arrancar mato, piorno, estevas e carrascos, até chegar à poda das azinheiras, arranjar e carregar a lenha para abastecimento do Monte o ano inteiro. Assim, chegou o início do ciclo agrícola, nos finais de Fevereiro/Março, começou o alqueve, primeira lavoura das terras (folhas) que seriam semeadas em Outubro. O Manoel mostrou sempre muito empenho e sabedoria desses trabalhos.
 O tempo foi passando e o Manoel sentia que estava na terra prometida e, quase três anos após o falecimento da sua mulher começou a pensar que tinha de dar novo rumo à sua vida, também, porque, gostava muito da filha do pastor da herdade, a Anna Maria, rapariga solteira, muito bonita, que lhe emprestava um olhar muito especial, era correspondido, mas ele não conseguia dar o passo em frente, porque, tinha receio de ela e a família não o aceitarem ao saberem que era viúvo! Mas estava enganado, porque a Anna Maria e a família já sabiam tudo sobre a sua vida, assim, um dia, o Manoel pediu à Anna Maria se podia falar com ela e contou-lhe o seu passado! A Anna Maria, não se mostrou surpreendida e, respondeu-lhe que já sabia tudo, porque, quando chegou aos ouvidos do pai dela, que ele a andava a catrapiscar, ele encarregou-se de saber tudo sobre o seu passado e, já toda a família estava de acordo, não tinha lá nada ser viúvo! O Manoel ficou surpreendido, mas compreendeu, uma vez  que, o pai da Anna Maria, tinha direito a saber o seu passado, a bem da filha! A Ann Maria concordou em o Manoel pedi-la em casamento a seu pai, o que ele fez ainda nesse dia, sendo logo aceite, até porque, ele já sabia que o Manoel era filho de um grande lavrador. 
Este acontecimento foi grande novidade nas terras de Capelins e, quando era comentado na taberna da ti Maria Bia, ela comentava sempre: "Este mundo está perdido! Onde é que já se viu uma menina, uma donzela tão bonita e tão prendada, casar com um maltês!" 
O Manoel Rodrigues, tornou-se um dos trabalhadores  mais respeitados e admirados da herdade da Zorra, com todas as competências para poder ser feitor, de muita confiança por parte do lavrador e da família! Sabia ler e escrever, ajudava nas contas e na papelada da herdade, acompanhava o lavrador às feiras e, em todos os negócios, assim, quando informou o lavrador de que ia casar com a Anna Maria, ficou logo assente que o seu padrinho seria o lavrador e, a boda era no Monte da Zorra. 
O Manoel, ainda em Maio, foi tratar da papelada do matrimónio com o Pároco Miguel Gonçalves Gallego, da Paróquia de Santo António e, marcaram o mesmo para o dia 30 de Setembro de 1743 ao meio dia! Como eram necessários alguns papéis passados pelo Pároco de S. Brás dos Matos, o Manoel foi falar com este Pároco e, ao mesmo tempo, participar e convidar a Família, os pais ficaram muito contentes por ele arrumar a sua vida e, disseram-lhe que a boda era por sua conta! 
O Manoel e os pais tiveram uma longa conversa sobre a vida dele e quiseram saber tudo sobre a sua futura nora! O Manoel contou-lhe como tinha sido a sua vida desde o dia que tinha partido e sobre a Anna Maria, assim como, os seus planos para o futuro! Os pais concordaram com tudo, exceto em ele ficar como criado na herdade da Zorra, mas isso depois do casamento logo falavam, porque, estava no tempo de ele ser lavrador disse o pai! O Manoel disse-lhe que esrava na terra certa e por nada ia deixar a Vila de Ferreira! Após ficar tudo combinado, o Manoel voltou ao seu trabalho no Monte da Zorra! 
Ao aproximar-se a data do casamento, começaram os preparativos no Monte da Zorra, estava planeado ser um casamento ao nível de lavrador! Os pais do Manoel um mês antes, mandaram dizer por um criado que, três dias antes do casamento mandavam tudo o que fosse necessário para a boda, apenas queriam saber mais ou menos, quantos convidados eram! O Manoel enviou a resposta numa carta e, no dia 27 de Setembro de 1743 chegou grande caravana ao Monte da Zorra, cinco carroças carregadas de produtos, tachos, panelas, alguidares, utensílios de cozinha e gado para abate, criados e criadas, cozinheiras e ajudantes para prepararem as comidas e bebidas! 
Os criados levantaram grandes choças cobertas por cima com verdura cortada nas margens do Ribeiro do Carrão para fazerem sombras às mesas e cadeiras onde mais de 80 convidados se iam instalar, porque, o tempo ainda estava muito quente! 
Assim, prepararam tudo para a festa do casamento do Manoel Rodrigues com a Anna Maria. 
Nas terras da Vila de Ferreira (Capelins), não existia outra conversa, senão a do matrimónio do Manoel com a Anna Maria filha do pastor e, todos os clientes que entravam na taberna da ti Maria Bia, como sabiam que a assanhavam, puxavam a conversa, deixando-a fora de si, porque, continuava a dizer que o Manoel não passava de um maltês. 
No dia 30 de Setembro de 1743, muito cedo, chegaram ao Momte da Zorra a Família do Manoel e, outros convidados, mais de 40 pessoas, foi imediatamente servido o almoço (pequeno almoço) a todos os convidados que iam chegando, pelas criadas do Monte das Naves de Baixo e do Monte da Zorra! 
Pelas 11 horas, foi dada a partida para a Igreja de Santo António! Os noivos e padrinhos iam no chorrião dos pais do Manoel, à sua frente ia o chorrião do Monte da Zorra com a Família, depois, seguiam 10 charretes de lavradores da Vila de Ferreira e de S. Brás dos Matos e 10 carros puxados por parelhas, todos ornamentados com tapetes bordados, arreios vistosos e, com flores de aloendros! Nunca se tinha visto uma coisa assim! 
A caravana passou pelo meio de Capelins de Cima, à porta da taberna da ti Maria Bia, onde se juntou muita gente para ver passar os noivos e convidados, só ela ficou dentro da taberna a espreitar, porque, embora gostasse de assistir, não queria quebrar a ideia maléfica que tinha contra o Manoel, mas esteve sempre em bicos de pés e pedindo para não lhe taparem a porta porque lhe tiravam a luz! 
O casamento foi realizado às 12:00 horas na Igreja de Santo António pelo Pároco Miguel Gonçalves Gallego e, os noivos e os convidados voltaram pelo mesmo caminho para o Monte da Zorra, onde decorreu a grande festa com dois tocadores de harmónio e três cantadeiras, até ao dia seguinte. 
Os pais do Manoel antes de voltarem para o Monte das Naves de Baixo, chamaram-no de parte e, o pai disse-lhe para começar imediatamente a procurar uma herdade para arrrendar e, passar a ser lavrador, levou a mão ao bolso do colete, tirou uma bolsa com dinheiro e continuou: "está aqui dinheiro suficiente para isso e, se existir algum problema vai ter comigo e trazes umas parelhas e alfaias!"
O Manoel aceitou a oferta do pai, sem imaginar que quantidade de dinheiro estava dentro da bolsa, limitando-se a agradecer e a guardá-la! Depois do janatar (almoço), os famíliares e convidados começaram a despedir-se e a partir para os seus destinos, a família do Manoel seguiu para o Monte das Naves de Baixo, prometendo que em breve os vinham visitar! 
O Manoel e sua legítima mulher, Anna Maria, ficaram a morar numa pequena casa em frente ao Monte da Zorra e, quando já estvam a sós ele contou-lhe a conversa com os pais e que lhe tinham deixado dinheiro para ele ser lavrador! A Anna Maria não ficou muito entusiasmada, porque era coisa que nunca lhe tinha passado pela cabeça, ser lavradora na Vila de Ferreira! Vamos lá ver o que está aqui dentro desta bolsa, se dá para começar! Disse o Manoel! Ao abrir a bolsa, ficaram ambos admirados devido à quantidade de dinheiro que tinham na sua frente, muitas moedas de ouro e de prata! Olharam um para o outro e, não conseguiam falar, por fim ele exclamou: E agora? Não sei! Respondeu ela! Vamos esconder muito bem este dinheiro e, depois logo falo com o nosso padrinho e faremos o que disser!
O lavrador da Zorra, era padrinho e grande amigo do Manoel, então, assim que houve oportunidade, contou-lhe a conversa do pai e, sobre o dinheiro que ele lhe tinha deixado, depois, pediu-lhe ajuda para poder arrendar uma herdade! O padrinho prometeu-lhe que o ajudava e talvez mais depressa do que ele pensava, porque, sabia que o arrendamento da herdade da Talaveira estava a terminar, era uma questão de ele oferecer mais dinheiro do que o lavrador Lopes e, decerto ficava com ela! Assim, o Manoel, no ano seguinte, em 1744, já era lavrador na herdade da Talaveira. 
Com a ajuda do lavrador da herdade da Zorra, o Manoel começou a atividade de lavrador mas, continuou a trabalhar ao lado dos seus criados, como se fosse um deles, tratando-os muito bem, porque, sabia o que custava trabalhar de sol a sol ou, pela noite dentro, ganhando, assim, ainda mais admiração nas terras de Capelins! A partir daí, já poucas pessoas o apelidavam de maltês e, aqueles que o faziam eram logo repreendidos, exeto a ti Maria Bia!
Um ano depois do casamento, a Anna Maria teve o primeiro filho, ao qual foi dado o nome de Manoel como o do pai, seguiram-se muitos outros, chegando aos oito, o que era normal nessa época! 
O Manoel continuou por muitos anos a ser o lavrador da Talaveira, mas o seu sonho era ser o lavrador da herdade da Zorra! Passados cerca de dez anos faleceu o seu padrinho, lavrador da herdade da Zorra! Os filhos continuaram como lavradores desta herdade, mas não mostravam o devido interesse pela sua administração, o que veio dar problemas nas contas e entre eles, acabando por se instalar uma grande desorganizção, começaram a surgir dívidas com graves consequências! 
Passsados três anos, terminou o contrato de arrendamento da herdade da Zorra, que era propriedade do reino, como o Manoel tinha conhecimento que existiam vários interessados nela, então, na carta fechada onde constava o valor da oferta da renda, a entregar ao administrador das herdades da Vila de Ferreira, ofereceu um valor seguro, mais alto, de maneira a ficar com ela! A oferta do Manoel ganhou e ele passou a ser o lavrador da herdade da Zorra! 
O Manoel concretizou o seu sonho e, como já conhecia aquelas terras, depressa começou a fazer boas colheitas, que o ajudaram a entrar noutros negócios, além da agro-pecuária começou a negociar em cereais, gado e na industria moageira, comprou metade de um Moinho no rio Guadiana por oitenta mil réis e, passados quatro anos comprou o maior e melhor moinho do rio Guadiana designado por Azenhas del - Rei, por um valor muito elevado nessa época, duzentos mil réis, mas foi o melhor negócio nesse tempo, eram fábricas de fazer farinha que tinha grande consumo e, depressa amortizou os valores que investiu, conseguindo grandes lucros com estes negócios e, com empréstimos de dinheiro que fazia a outros lavradores, mediante escrituras feitas no Cartório Notarial de Terena! 
O lavrador Manoel Rodrigues, era muito estimado e admirado na Vila de Ferreira e no Termo de Terena, também, devido ao seu enigmático passado! Alguns, acreditavam que ele tinha sido maltês e chegou onde chegou! Tinha uma história de vida apaixonante, com a qual, muitos sonhavam!
Um dia, repentinamente, chegou o seu fim! O grande lavrador Manoel Rodrigues da herdade da Zorra partiu, sendo sepultado na Igreja de Santo António, na quarta cova da quarta carreira a contar da mão esquerda, no dia 10 de Janeiro de 1782, em cujo Assento do óbito o Pároco Manoel Martins Felippe, escreveu: "Era o lavrador mais opulento (rico) desta Paróquia de Santo António (Capelins)". 
A sua fortuna foi desfeita, porque foi repartida pelos seus oito filhos/as que, mesmo assim,  ficaram ricos!  
A ti Maria Bia, já estava sepultada na Igreja de Santo António, havia oito anos, na quarta cova da quarta carreira a contar da mão esquerda, nunca reconheceu o Manoel como lavrador, foi sempre o maltês, mas por coincidência, ou não, ou talvez o Omnipotente os tivesse juntado para poderem fazer as pazes até à eternidade, uma vez que, foram ambos sepultados na mesma cova na Igreja de Santo António, onde jazem!  
A sua taberna em Capelins de Cima, foi passando de mão em mão, por muitas gerações.
P.A.S.A. 
Fim 




Sem comentários:

Enviar um comentário

288 - Terras de Capelins  História de vidas de Gentes das terras de Capelins  Família "Romão" de Capelins e arredores  Co...