quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

391 - Terras de Capelins: Faleiros - Ferreira de Capelins -

Montejuntos 

História, lendas e tradições das terras de Capelins

A lenda do taberneiro de Capelins

As tabernas nas terras de Capelins já existiam desde tempos remotos e vendiam pouco mais do que vinho e aguardente mas, embora nesses tempos alguns, não ganhassem para comer, eram bem afreguesadas! No início de 1900, havia uma taberna em Capelins de Cima, cujo taberneiro era o ti Chico Calhau, com origens da região de Borba! O ti Calhau gostava muito de troçar de toda a gente e, estava sempre a oferecer lambadas aos fregueses, por coisas sem importância, depois dava zaragata, existindo vários registos de queixas nos ordenanças (guarda do reino), em Terena!
O ti Miguel Borralho, de Lisboa era guarda campestre na Defesa de Ferreira, no Monte Grande e, adorava beber uns copos de vinho, não bebia mais, porque o dinheiro era escasso, mas assim que tinha uns réis no bolso ia a correr à taberna do ti Calhau! Um dia, estava com muita vontade de um copinho de vinho, deu volta à carteira e conseguiu encontrar mesmo a conta do dinheiro para um copo, nem pensou duas vezes e foi à taberna:
Ti Miguel: Enche lá aí um copo de vinho!
O ti Calhau, como habitualmente, estava mal disposto, tinha de embirrar com alguém e respondeu!
Ti Calhau: Encho se eu quiser! Ou pensas que mandas aqui alguma coisa!
Ti Miguel: Eu quero lá mandar aqui! Quero é o copo de vinho e mais nada!
Ti Calhau: Vou pensar! É melhor vires cá logo!
Ti Miguel: Deixa-te de brincadeira e enche lá o copo de vinho, que eu não me posso demorar!
O vinho estava num pipo (barrica) de madeira atrás do balcão e, era diretamente dele que o ti Calhau enchia os copos de vinho! Tinha uma tijela por baixo para aparar alguma pinga que caísse fora dos copos!
O ti Calhau, para chatear o ti Miguel, andava de um lado para o outro a fingir que andava fazendo outras coisas, até que pegou no copo de lata e encheu-o, depois bateu com ele em cima do balcão, fazendo entornar quase metade do vinho! O ti Miguel ficou a olhar, na esperança do ti Calhau recolher o copo para o acabar de encher, mas não! Para não haver chatices não disse nada, porque já sabia que o taberneiro estava com os azeites e se abrisse a boca dava mau resultado! Quando ia pegar no copo, o ti Calhau disse-lhe: “Estás com sorte, toda a vida ouvi dizer que, quando se entorna vinho fica-se rico”! Já sabes, ainda vais ser rico! O ti Miguel bebeu o meio copo de vinho e não respondeu, mas logo a seguir, lembrou-se de se vingar do ti Calhau, nesse momento, o taberneiro foi à casa de trás e, o ti Miguel correu ao pipo do vinho e abriu a torneira, deixando-o a escorrer para o chão, quando o ti Calhau voltou, ficou muito furioso e exclamou alto:
Ti Calhau: Como é que eu fiz uma coisa destas? Ai a minha vida! Que grande prejuízo!
Ti Miguel: Não foste tu! Fui eu! Mas isso foi para te fazer bem, porque se eu fico rico por me entornares meio copo de vinho, pensei que ficavas riquíssimo se eu te entornasse o pipo!
Ti Calhau: Seu malandro! Tu nem sabes o prejuízo que me deste! Não te vais ficar a rir, vais pagar bem pago!
Ti Miguel: Olha lá! Então se vais ficar riquíssimo, ainda é preciso eu pagar-te?  Não vou pagar-te nada!
Ti Calhau: Ainda estás a mangar comigo? Eu já te digo!
O ti Calhau deitou as mãos ao pescoço do ti Miguel e envolveram-se em zaragata,  agarrados foram cair à porta da taberna, estavam ali alguns homens que os separaram! O ti Calhau continuou a gritar que tinha de lhe pagar vinte copos de vinho! E o ti Miguel afastou-se dizendo que não lhe pagava nada!
Pouco depois, passavam por ali os ordenanças de Terena e, o ti Calhau apresentou queixa do ti Miguel, contando a sua versão do que se tinha passado! Os ordenanças, foram chamar o ti Miguel e confrontaram-no com a acusação, ele pediu licença e contou a versão dele! Não negou nada e disse que fez aquilo para bem do ti Calhau, para ele ficar muito rico!
Os ordenanças não percebiam o que tinha a riqueza a ver com aquilo, então, o ti Miguel contou-lhe o que o ti Calhau lhe tinha feito e, a parte de que ficava rico, por isso, ele também queria que o ti Calhau ficasse rico, muito rico, o que só era possível se entornasse o pipo! Os ordenanças conferenciaram e perceberam a maldade do ti Calhau, mandaram o ti Miguel embora e disseram-lhe que o assunto estava resolvido e não pagava nada! Depois, entraram na taberna e disseram o mesmo ao taberneiro, que ainda tentou dividir o prejuízo ao meio, que era mais justo, mas os ordenanças disseram-lhe que acabava ali a conversa e não queriam ouvir falar mais no assunto!
O acontecimento, depressa se espalhou pelas terras de Capelins e, o ti Calhau foi alvo de chacota durante muito tempo e até lhe fizeram versos!

O ti Miguel, nunca mais se aproximou da taberna do ti Calhau. 



Sem comentários:

Enviar um comentário

446 - Terras de Capelins  História de Capelins  A Doação das Vilas de Terena e de Ferreira, por D. Fernando I, a sua filha a Infanta ...